Quarta-feira, 20 de Agosto de 2014

...

Nasceste para dormir, para sonhar, para esquecer. Quem disse que nasceste para viver? E, no entanto, faças o que fizeres é sempre a vida o bem que mais se gasta. A tua vida. Se te quedares inerte, esperando que o tempo não dê por ti, dormires, sonhares, tergiversares, esqueceres – é sempre a mesma erosão sofrida, como idêntico é o bem que se consome. Aconteça o que acontecer, é sempre a vida a coisa mais maltratada. A tua vida. Mas não adianta pensá-lo, dizê-lo. Mas não adianta viver.

 in Sobre A Nossa Morte Bem Muito Obrigado (Alambique)

publicado por C. às 11:37
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

.arquivos

. Dezembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds