Sexta-feira, 30 de Novembro de 2012

Esbjorn Svensson Trio - Jazzwoche Burghausen Live (2004)

publicado por C. às 09:40
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quinta-feira, 29 de Novembro de 2012

Nas horas que me pertencem

 «(…) Sí, en una nueva manera de ser que busca abarcarlo todo, la cosecha dei azúcar en Cuba, el amor de los cuerpos, la pintura y la família y la descolonización y la vestimenta. Es natural que me pregunte una vez más como hay que tender los puentes, buscar los nuevos contac­tos, los legítimos, más allá del entendimíento amable de generaciones y cosmovisiones diferentes, de piano y controles electróni­cos, de colóquios entre católicos, budistas y protestantes, de deshielo entre los dos bloques políticos, de coexistência pacífica; porque no se trata de coexistência, el hombre viejo no puede sobrevivir tal cual en el nuevo aunque el hombre siga siendo su propia espiral, la nueva vuelta dei interminable ballet; ya no se puede hablar de tolerância, todo se acelera hasta la náusea, la distancia entre las generaciones se da en proporción geométrica, nada que ver con los anos veinte, los cuarenta, muy pronto los ochenta. La prirnera vez que un pianista interrumpió su ejecución para pasar los dedos por las cuerdas como si fuera un arpa, o golpeó en la caja para marcar un ritmo o una cesura, volaron zapatos al escenario; ahora los jóvenes se asombrarían si los usos sonoros de un piano se limitaran a su teclado. Y los libros, esos fósiles necesitados de una implacable gerontología, y esos ideó­logos de izquierda emperrados en un ideal poco menos que monástico de vida privada y pública, y los de derecha inconmovibles en su desprecio por millones de desposeídos y alienados? Harnbre nuevo, si: quê lejos estás, Karlbeinz Stockhausen, modernísimo músico metiendo un piano nostálgico en plena irisación electrónica; no es un reproche, te Io digo desde mi mismo, desde el sillón de un compañero de ruta. También vos tenés el problema del puente, tenés que encontrar la manera de decir inteligiblemente, cuando quizá tu técnica y tu más instalada realidad te están reclamando la quema dei piano y su reemplazo por algún otro filtro electrónico (bipótesis de trabajo, porque no se trata de destruir por destruir, a lo mejor el piano le sirve a Stockbausen tan bien o mejor que los médios electrónicos, pero creo que nos entendemos). Entonces el puente, claro. Cómo tender el puente, y en quê medida vá a servir de algo tenderlo? La praxis intelectual (sic) de los socialisrnos estancados exige puente total; yo escribo y el lector lee, es decir que se da por supuesto que yo escribo y tiendo el puente a un nivel legible. ,;Y si no soy legible, viejo, si no bay lector y ergo no hay puente? Porque un puente, aunque se tenga el deseo de tenderlo y toda obra sea un puente hacia y desde algo, no es verdaderarnente puente mientras los hombres no lo crucen. Un puente es un hombre cruzando un puente, che.»

 

Libro de Manuel de Julio Cortázar, Alfaguara, pp. 29-30

publicado por C. às 13:49
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 28 de Novembro de 2012

“Los habitantes de la ciudad nos habíamos acostumbrado a la garganta metálica que anunciaba el toque de queda”

 

 

Gabriel García Márquez, periodista de antaño
(El Espectador)
 

 

 

Artigo

tags:
publicado por C. às 09:34
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 27 de Novembro de 2012

Nas horas que me pertencem

«Los libros deben defenderse por su cuenta, y este lo hace como gato panza arriba cada vez que puede; sólo he de agregar que su tono general, que va en contra de una cierta concepcíón de como deben tratarse estos temas, dista tanto de la frivolidad como del humor gratuito. Más que nunca creo que la lucha en pro del socialismo latinoamericano debe enfrentar el horror cotidiano con la única actítud que un dia le dará la víctoria: cui­dando preciosamente, celosamente, la capacidad de vivir tal como la queremos para ese futuro, con todo lo que supone de amor, de juego y de alegria. La difundida ímagen de la muchacha norteamericana que offece una rosa a los soldados con las bayonetas caladas sigue siendo una mostracíón de lo que va del enemigo a nosotros; pero que nadíe entienda o finja entender aqui que esa rosa es un platónico signo de no violência, de ingénua esperanza; hay rosas blindadas, como las vio el poeta, hay rosas de cobre, como las inventó Roberto Arlt. Lo que cuen­ta, lo que yo he tratado de contar, es el signo afirmativo frente a la escalada del desprecio y dei espanto, y esa afírmación tiene que ser lo más solar, Io más vital del hombre: su sed erótica y lúdica, su liberación de los tabúes, su reclamo de una dignidad compartida en una tierra ya libre de este horizonte diário de colmillos y de dólares.

Una última observacíón: entiendo que los derechos de autor que resulten de un libro como este deberían ayudar a la realizacíón de esas esperanzas, y mucho me hubiera gustado poder dárselos a Oscar para evitarle tantas complicaciones, contéiners de doble fondo, pínguinos y otras extravagâncias parecidas; desgraciadamente el libro no estaba todavia escrito, pero ahora que ya anda por ahí podre encontrar el mejor empleo de esas regalias que no quíero para mi; cuando llegue el momento daré los detalles, aunque no sea ante escribano público.»

 

Libro de Manuel de Julio Cortázar, Alfaguara, p. 12

publicado por C. às 13:24
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 26 de Novembro de 2012

Dilema da semana:

Até que ponto deverá um escritor comprometer-se com a realidade, com o seu tempo?

 

 

 

(Rescaldo da leitura da troca de palavras entre Pinheiro Torres e Vergílio Ferreira, por ocasião da publicação de Rumor Branco, e início do Libro de Manuel)

publicado por C. às 11:32
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 25 de Novembro de 2012

Da situação Periférica- Modo: "Estarei no ir"

imagen de Dalí

 

 

Dalí

Fechas: 24 de abril - 2 de septiembre de 2013
Lugar: Edificio Sabatini, Planta 3

El Museo Reina Sofía y el Centro Georges Pompidou han organizado conjuntamente una gran exposición dedicada a Salvador Dalí. La exposición propondrá revalorizar al Dalí pensador, escritor y creador de una particular visión del mundo. El núcleo de la muestra lo constituye el período surrealista, haciendo especial hincapié en el método paranoico-crítico desarrollado por el artista como mecanismo de transformación y subversión de la realidad. Exposición organizada por el Museo Reina Sofía y el Centro Pompidou de París en colaboración con la Fundación Gala-Salvador Dalí, Figueras y el Salvador Dali Museum, Saint Petersburg (Florida)

 

 

 

tags:
publicado por C. às 17:30
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 24 de Novembro de 2012

Lars Danielsson and Leszek Mozdzer - Suffering

publicado por C. às 19:13
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 23 de Novembro de 2012

La bibliothèque en feu

La bibliothèque en feu [A biblioteca em fogo]

 
publicado por C. às 12:57
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 22 de Novembro de 2012

Nas horas que me pertencem

«O acordar começa com o dizer existo e agora. Então, aquele que acordou mantém-se por instantes deitado, de olhar fixo no tecto e em si próprio, até ter reconhecido o eu e, a partir daí, deduzido eu existo, eu existo agora. O aqui vem a seguir e é pelo menos negativamente recon­fortante; porque o aqui, esta manhã, está onde esperava encontrar-se naquilo a que costuma chamar-se em casa.

Mas o agora não significa simplesmente agora. Agora é também uma recordação fria, um dia a mais do que ontem, um ano a mais do que o anterior. Todo o agora traz o rótulo da sua data, tornando obsoletos todos os agora passados, até que, mais cedo ou mais tarde... Tal­vez... Não, talvez, não... De certeza: ele virá.

O medo belisca o nervo vago. Um recuo doentio pe­rante aquilo que, algures lá fora, espera, sem vida.

Mas, entretanto, o córtex, esse severo disciplinador, tornou o seu lugar nos centros de controlo e tem estado a testá-los, uns a seguir aos outros; as pernas esticam-se, o fundo das costas arqueia-se, os dedos crispam-se e dis­tendem-se. E agora, através de todo o sistema de inter­comunicação, é emitida a primeira ordem de carácter geral do dia: LEVANTAR.

Obediente, o corpo salta para fora da cama — con­traindo-se com dores agudas nos polegares artríticos e no joelho esquerdo, levemente nauseado com os espasmos do piloro — e, nu, cambaleia na direcção da casa de banho, onde esvazia a bexiga e se pesa; ainda ultrapassa um pouco os setenta e cinco quilos, apesar de toda aquela labuta no ginásio! Em seguida, encaminha-se para o es­pelho.

O que aí vê não é tanto um rosto como a expressão de uma situação. Aí está o que fez de si próprio; aí está a miséria em que de algum modo conseguiu transformar--se durante os seus cinquenta e oito anos de vida; expressa em termos de um olhar frouxo e atormentado, de um nariz grosseiro, de uma boca de cantos descaídos, num trejeito como que provocado pela acidez das suas próprias toxi­nas, a face solta das suas suspensões de músculo, o pes­coço flácido desdobrando-se em pequenas rugas. O olhar atormentado é o de um nadador ou o de um corredor no desespero do cansaço; todavia, parar é impensável. O indivíduo que estamos a observar lutará até cair. Não porque seja heróico. Não é capaz de imaginar uma alter­nativa.

Olhando cada vez mais fixamente para o espelho, vê muitos rostos contidos no seu — o rosto da criança, do rapaz, do jovem, do menos jovem —, todos ali estão, pre­servados como fósseis em camadas sobrepostas e, tal como os fósseis, mortos. A sua mensagem para esta criatura morta-viva é: «Olha para nós... Morremos... O que há a recear?»

E o indivíduo responde-lhes: «Mas aconteceu tão gra­dualmente, tão facilmente. Tenho medo de uma arreme­tida.»

Não pára de olhar-se. Os lábios descolam-se. Começa a respirar pela boca. Até que o córtex, impaciente, lhe ordena que vá lavar-se, barbear-se. Tem de cobrir a sua nudez. Tem de vestir-se, pois vai lá para fora, para o mundo dos outros. E esses outros terão de saber identifi­cá-lo. O seu comportamento tem de ser aceitável aos olhos deles.

Obediente, lava-se, barbeia-se, penteia-se, pois aceita as suas responsabilidades para com os outros. Sente-se mesmo satisfeito pelo lugar que ocupa entre eles. Sabe o que esperam dele.

Sabe o seu nome. Chama-se George.

Nessa altura, já está vestido: transformou-se num ele; já se transformou mais ou menos em George — embora ainda não inteiramente no George que eles exigem e que estão preparados para reconhecer. Os que lhe telefonam a esta hora da manhã ficariam espantados, talvez mesmo assustados, se imaginassem que é com este humanóide que estão a falar. Mas é claro que isso nunca seria possí­vel — a imitação da voz do seu George é quase perfeita. Até mesmo Charlotte se deixa levar por ela. Só por duas os três vezes sentiu algo de estranho e perguntou:

— Geo... Sentes-te bem?

Atravessa o aposento da frente, a que chama escritó­rio, e desce a escada. As escadas formam uma curva; são estreitas e inclinadas. É possível tocar nos dois corrimãos com os cotovelos e temos de baixar a cabeça, mesmo que, como George, não tenhamos mais de um metro e sessenta de altura. Ê uma casa pequena, em que o espaço foi meti­culosamente estudado. É frequente George sentir-se pro­tegido pela sua pequenez; aqui quase não há espaço para nos sentirmos sós.» (pp.11-13)

 

«E agora, em volta de George, aproximando-se dele, atravessando a alameda vinda de todas as direcções, está a matéria-prima feminina e masculina que diariamente é alimentada nesta fábrica, ao longo das correias de trans­porte, para ser processada, embalada e colocada no mer­cado. Negros, mexicanos, judeus, japoneses, chineses, lati­nos, eslavos, nórdicos; as cabeças escuras predominam sobre as louras. Correndo para cumprir os horários, detendo-se a namoriscar, passeando em viva discussão, repe­tindo qualquer lição; todos carregados de livros, todos apressados.

O que pensam eles que estão a fazer aqui? Bem, existe a resposta oficial: a preparar-se para a vida, o que significa um emprego e segurança no seio da qual possam criar os filhos e ensiná-los a preparar-se para a vida, o que significa um emprego e segurança no seio da qual... Mas, apesar de todos os conselheiros de orientação pro­fissional, dos panfletos indicando-lhes como poderão ga­nhar bom dinheiro se investirem em qualquer estágio técnico sólido — farmacologia, digamos, ou contabilidade, ou as várias oportunidades que se oferecem no vasto campo da electrónica —, ainda há bastantes, por muito incrível que pareça, que insistem em escrever poemas, romances, peças de teatro! Estonteados com a falta de sono, escre­vinham nos pequenos intervalos entre as aulas, o emprego a tempo parcial e a vida de casados. As palavras enton­tecem-nos enquanto varrem uma sala de operações, sepa­ram cartas numa estação dos correios, seguram o biberão do bebé, fritam hamburgers. E algures, no meio da sua escravidão ao que tem-de-ser, o louco «podía-ser» segre­da-lhes que vivam, que aprendam, que experimentem... O quê? Maravilhas! A Estacão no Inferno, a Viagem ao Fim da Noite, os Sete Pilares da Sabedoria, a Luz Clara do Vácuo... Algum deles o fará? Oh, claro. Um, pelo menos. Dois ou três, no máximo, em todos estes milhares.

Aqui, no meio deles, George sente uma espécie de vertigem. Oh, Deus, o que será de todos eles? Que opor­tunidades têm? Devo gritar-lhes, agora mesmo, neste lugar, que não vale a pena?

Mas George sabe que não pode fazer isso. Porque, por absurdo e despropositado que pareça, contra a sua vontade, ele é um representante da esperança. E a espe­rança não é falsa. Não. Só que George é como um ho­mem que tenta vender um diamante verdadeiro por um níquel, na rua. O diamante não está senão ao alcance de uns quantos, porque a grande maioria apressada nunca se atreveria a acreditar que ele poderia ser verdadeiro.» (pp.40-41)

 

Um Homem no Singular de Christopher Isherwood, trad. Filomena Duarte, Labirinto.

publicado por C. às 13:54
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 20 de Novembro de 2012

...

publicado por C. às 11:20
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

.pesquisar

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds