Quarta-feira, 29 de Março de 2017

...

O homem tem atrás de si uma infindável cadeia de mortos a impeli-lo, e todos os gritos que se soltaram no mundo desde tempos imemoriais se lhe repercutem na alma. -É essa a história: o que sofreste, o que sonhaste há milhares de anos, tacteou, veio, confudido no mistério, explodir nesta boca amarga, neste gesto de cólera... Não é inútil nem sofrer, nem fazer sofrer, e não há grito que se perca no mundo. Nem o mais ignorado, nem o mais humilde. Escusas de te rir... E todo o esforço humano é no fundo uma lenta aproximação de Deus, assim como tudo na vida se resolve segundo a forma por que cada um encara Deus... A verdadeira história alimenta-se de gritos, mergulha raízes, alastra raízes nas almas, surge na época de que trata este livro na independência da América e depois na Revolução. Há-de ser árvore desmedida no momento em que o homem encare Deus em toda a sua plenitude.

 

El-Rei Junot de Raul Brandão

publicado por C. às 13:08
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 2 de Março de 2017

Where's the Revolution

 

publicado por C. às 13:56
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 1 de Março de 2017

MIZOGUCHI

16998227_10154626478219775_6223667781010421393_n.j

 

tags:
publicado por C. às 18:49
link do post | comentar | favorito
|

Na Insónia

O homem deita-se cedo. Não consegue conciliar o sono. Dá voltas na cama. Embrulha-se nos lençóis. Acende um cigarro. Lê um pouco. Torna a apagar a luz. Mas não é capaz de dormir. Às três da manhã levanta-se. Acorda o amigo do lado e diz-lhe que não consegue adormecer. Pede-lhe conselho. O amigo sugere que dê um pequeno passeio de modo a cansar-se um pouco. E que depois tome chá de tília e apague a luz. O homem faz tudo isto mas continua sem dormir. Volta a levantar-se. Desta vez recorre ao médico. Como é hábito, o médico fala muito mas o homem não dorme. Às seis da manhã carrega um revólver e estoura os miolos. O homem está morto mas continua sem conseguir dormir. A insónia é uma coisa muito persistente.

 

O Grande Baro e Outras Histórias de Virgilio Piñera, selec e versões de Rui Manuel Amaral, Colecção Pedante, Edição Livraria SNOB

 

publicado por C. às 13:21
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds