Domingo, 20 de Janeiro de 2013

Nas horas que me pertencem

“um livro acarinha como o sossego de um atalho que nos leva ao encontro? à nossa face, passo a passo, redesenhada? Um livro é a voz que o lê? Onde se perde?” (p.13)

 

Celan Lê-lo como alguém que perdeu, letra a letra,

 as palavras mais simples. Até só haver queimaduras.

 Ou a sofreguidão de uma guerra.” (p.14)

 

Pouco a pouco a luz minou os recantos mais íntimos, destruiu hesitações e rostos, e tornou-se o que é hoje: informe. Não há um objecto em que ela se fixe. Um único pormenor. O movimento da minha cabeça a aproximar-se, já não faz aparecer um mundo escondido, mas círculos, pulsações, turbulências. De manhã, uma cor violeta, atravessa o quarto, amiba errante com os seus pseudópodes. Dantes, só havia luz porque havia objectos. Hoje, a luz é um objecto. O único. Metastásico. Vejo o que me permitia ver: a lente monstruosa e inútil:

a  mão do oleiro.

A falta do barro (p.19)

 

 

Auschwitz há nomes que atravessam a vida: começam imprecisos e vão-se adensando, vão-se tornando mais claros, até reduzirem o lugar onde surgem a uma folha em branco. Há nomes que não trazem com eles outros nomes. Cheios de mal, do mal, exercem uma censura sobre todos os sorrisos, todos os gestos, todos os inícios. Geram o vidro no íntimo de um segredo. Escrever contra eles, apesar da sua lavra, fazê-los recuar, não para que desapareçam, mas para que deixem um rasto onde não se possam esconder. Porque. Porque isso é já o esboço de um sentido, o sinal da recusa, Mesmo que se não chegue. Mesmo que nunca. “  (pp.22-23)

 

Escrita Não gostei nunca de banda desenhada nem de livros com ilustrações. Letras e palavras sempre exerceram sobre mim um fascínio. Ambíguo. Porque me faziam aparecer as coisas com uma nitidez que as imagens não tinham. E, em simultâneo, segredavam-me a sua morte. Houve um tempo em que os livros me inventavam, no sossego de um degrau de escada. Era o tempo. Um instante, na tarde. Por eles e com eles antecipei. Levaram-me a sofrer vezes sem conta uma dor inevitável. Mas nunca me levaram à alegria. Há uma morte escondida em todas as palavras como um esqueleto que resiste mais do que os lábios que as dizem, ou a mão que as escreve, ou os olhos que as lêem. Por vezes esquecemo-nos. Um dia, porém, tiramos o livro da estante, folheamo-lo, e uma palavra soletra-nos, Não a conheço: dizemos. E a morte recomeça.” (p.30)

 

“Carregamos, não vozes, não pessoas.

Não.

Carregamos esboços. Desenhos incompletos. Dores incompletas. Uma recordação. Que repete. Repete, um corpo inacabado.” (p.39)

 

“Um rapaz chegou-se a mim no museu, e perguntou-me: o que está ver? Encolhi os ombros. Os meus olhos são máquinas de subversão, fabricam alucinados que nome para o que vejo? O que vejo? O que está escondido? A morte? As cores em outras cores? Ôs traços em outros traços? Outro mundo? Outros? O outro? O outro.” (p.44)

 

Barro de Rui Nunes, Relógio d’Água


http://www.rtp.pt/play/p213/e88857/diario-camara-clara

 

 

tags:
publicado por C. às 21:15
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds