Terça-feira, 25 de Julho de 2017

...

-Ah, muito bem! - respondera o Cõnsul. _- É como diz: um sistema eléctrico. Mas, depois de beber tequila de mais, o sistema eléctrico fica talvez um pouco mais desarranjado, comprenez, como acontece às vezes no cinema, fiz-me entender? É como se fosse uma espécie de eclampsia. - O Cônsul acenara desesperadamente com a cabeça, tirando os óculos e, nessa altura, lembrava-se agora que estivera sem beber perto de dez minutos, e o efeito de tequila já quase se fora. Espreitara para o jardim e era como se as pálpebras se lhe tivessem desagregado em pedaços e andassem esvoaçando e debatendo-se à sua frente, transformadas em formas nervosas e em sombras, convulsivamente conglobadas num comprometido tagarelar dentro do seu espírito; ainda não eram verdadeiramente vozes, mas elas voltariam, vinham já a caminho, e o panorama da sua alma, semelhante ao de uma cidade, surgira-lhe mais uma vez em frente, mas, desta vez, era uma cidade assolada e consumida pelo negrume dos seus excessos. Fechando os olhos que escaldavam, pensara no belo funcionamento do sistema nervoso daqueles que se encontravam verdadeiramente vivos, com os interruptores ligados, de nervos tensos apenas em caso de perigo, dormindo sonos sem pesadelos e que se encontravam agora calmos, não propriamente a descansar e contudo equilibrados: aquilo devia ser como uma aldeia inundada de paz. Santo Deus, como aquilo lhe aumentava a tortura, (e, entretanto, os outros tinham razão de sobra para supor que ele se estava a divertir tremendamente), o ter consciência de tudo aquilo, enquanto, ao mesmo tempo, consciente da total e horrível desintegração do maquinismo, com a luz ora acesa, ora falhando, agora excessivamente brilhante como acontece com uma bateria quase descarregado- vinha, por fim, a reconhecer toda a cidade mergulhada na escuridão e sem contactos, com o trânsito transformado em mera obstrução, sob a ameaça de um ataque aéreo e as ideias em debandada, semeando o pânico...

 

Debaixo do Vulcão de Malcolm Lowry, trad. Virgínia Motta, Livros do Brasil, pp. 155-156

publicado por C. às 13:27
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds